Educação

Secretaria de Estado da Educação

Acessibilidade: A+ A() A-

 Arquivo de Notícias

As aulas para os estudantes do Programa Projovem Campo iniciam na próxima segunda-feira, 24, para 300 jovens com idade entre 18 e 29 anos, das escolas estaduais Campo Verde e Matapi II, em Porto Grande, e Pedro Maciel Filho e Pedro Teixeira, no município de Pracuúba.


No Amapá, o programa é coordenado pelo Núcleo de Educação do Campo (NEC), da Secretaria de Estado da Educação (Seed), e visa desenvolver políticas públicas de educação para jovens agricultores – excluídos do sistema formal de ensino –, dando-lhes oportunidade de inserção no ensino fundamental por meio da Educação de Jovens e Adultos (EJA).


Os alunos matriculados receberão um auxílio financeiro no valor de R$ 100,00 a cada dois meses, condicionado à frequência e trabalhos pedagógicos. Para aqueles jovens que não têm com quem deixar os filhos para frequentar as aulas, haverá salas de acolhimento e profissionais contratados para cuidarem das crianças entre dois e oito anos.


 


Capacitação


Os 30 profissionais que vão lecionar as aulas nas zonas rurais foram selecionados no processo seletivo do programa, ocorrido no mês passado. Os educadores estão concluindo o curso de formação de professores, que encerra nesta sexta-feira, 21, no auditório da Escola Sesc.


De acordo com a pedagoga do Programa Projovem Campo - Saberes da Terra, Marta Cecília Rocha, a formação é uma orientação de como vai ser realizado o trabalho dos professores no campo, suas peculiaridades e direcionamentos.


"É um trabalho de sensibilização que o profissional da educação deve ter, um olhar diferenciado em saber trabalhar com a realidade e saberes dos alunos do campo para contextualização na formação profissional e humana", disse.


As aulas do Projovem Campo nos municípios de Porto Grande e Pracuúba terão duração de 24 meses, com disciplinas de ciências humanas, história, geografia, matemática. Além dos professores, o projeto conta com tradutores e intérpretes de libras.

Acontece neste sábado, 22, às 10h, no Macapá Shopping, a seletiva estadual da 5ª Edição da Olímpiada Brasileira de Robótica (OBR). O evento tem o objetivo de estimular os jovens à carreira científica-tecnológica, identificar novos talentos e promover debates e atualizações no processo de ensino-aprendizagem, por meio da temática da robótica.


No Amapá, a programação foi organizada pela Secretaria de Estado da Educação (Seed), por meio do Centro de Atividades de Altas Habilidades e Superlotação (CAAHS), e conta com a parceria da Universidade Federal do Amapá (Unifap).


A professora Elizabete Santos, que faz parte da comissão organizadora da OBR no Estado, explica que participarão 27 equipes, dos níveis fundamental e médio, de onze escolas públicas, totalizando 81 estudantes.


"Cada equipe é composta por três alunos. Eles irão receber um pequeno robô que deverá ser programado para fazer o percurso marcado em uma arena", esclareceu a professora.


Os acadêmicos do curso de informática da Unifap serão os juízes da competição no Amapá. As equipes que conquistarem os três primeiros lugares na seletiva estadual da OBR irão representar o Estado na competição nacional, marcada para acontecer no dia 28 de outubro, em Uberlândia (MG).


Os vencedores da OBR estadual serão conhecidos a partir das 18h e receberão medalhas como premiação.

A Unidade de Orientação Curricular e Supervisão Escolar (Uocus), da Secretaria de Estado da Educação (Seed), dando continuidade aos trabalhos de conclusão das diretrizes curriculares do Estado do Amapá, realiza encontros sistemáticos para o estudo e reformulação dos saberes integrantes dos componentes da Matriz Curricular dos Níveis Fundamental e Médio da Educação Básica.


Os estudos iniciaram-se no dia 10 e se estenderão até o dia 30, obedecendo ao cronograma por componente curricular, em horário integral, no auditório da Escola Estadual Castelo Branco.


Segundo a chefe da Uocus, Maria Vanilza Mota, as discussões em torno do tema é antiga e agora o documento será implementado para ser entregue à Seed até o fim do mês. "A proposta está sendo feita por cada componente curricular. Estamos utilizando a metodologia de revitalização, de seleção de conteúdos, de acordo com a realidade escolar para compor as diretrizes", explicou.


O trabalho tem o acompanhamento e assessoria metodológica do professor José Enildo Elias Bezerra, doutorando em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ.


As atividades tem a participação efetiva dos professores de todas as disciplinas das escolas estaduais que pertencem ao município de Macapá e Santana e técnicos da Seed, além de docentes do Ensino Modular Fundamental e Médio, e do Núcleo de Educação de Jovens e Adultos (Neja).


 


Para compor a discussão nacional sobre os componentes curriculares da educação básica, representantes da Secretaria de Estado da Educação (Seed) reuniram-se nesta quarta-feira, 19, com dirigentes e técnicos do Conselho Estadual de Educação, Universidade Federal do Amapá (Unifap), União dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) e o Fórum de Educação do Estado do Amapá.

Durante a reunião foi deliberada a criação de um grupo gestor estadual e uma agenda de trabalho que definirá e acompanhará todo o processo de discussão e sistematização em todo o Estado das contribuições das redes vindas das discussões nas regionais que deverão ocorrer na primeira quinzena de outubro e também das que serão postadas no portal http://basenacionalcomum.mec.gov.br a partir de 15 de setembro de 2015.


A Base Nacional Comum (BNC) é um conjunto de conhecimentos e habilidades essenciais que cada estudante brasileiro deve aprender a cada etapa da Educação Básica, para que possa desenvolver-se como pessoa e preparar-se para o exercício da cidadania e bem como qualificar para o trabalho.


Segundo o coordenador de Políticas da Educação da Seed, Ailton Guedes, o Estado do Amapá está inserido no movimento nacional que discute uma BNC para o Brasil.
"A Seed tem um papel fundamental no contexto da BNC no Amapá, haja vista ser o ente mobilizador das demais redes e entidades que participarão das discussões que culminarão na construção final do documento do Estado da BNC", explicou Guedes.


Além disso, a BNC vai nortear o trabalho das escolas e enfatizar o que deve ser aprendido e não como deve ser ensinado. Também há um espaço para a inclusão de conhecimentos e habilidades que cada rede (Estado) julgar relevante.


De acordo com a presidente da UNDIME/AP, Antônia Andrade, é importante a autonomia das redes municipais e estaduais de educação para adequar seus currículos à base. "Espera-se que cada rede de educação defina o que considera importante, para além da base comum e que possamos construir os conteúdos com autonomia, evidenciando nossas identidades", concluiu.


Com o retorno da Gratificação de Regência de Classe, que prevê um acréscimo de 15% aos professores que estão em sala de aula, salas ambientes - extensivo aos pedagogos, auxiliares educacionais e especialistas –  até agora, mais de 600 educadores do quadro efetivo da rede estadual de ensino já solicitaram à Secretaria de Estado da Educação (Seed) o retorno para as unidades escolares estaduais.

Os dados foram confirmados pelos técnicos da Unidade de Lotação e Movimentação (Ucolom) da Seed, que estão recebendo diariamente a visita dos profissionais no prédio da instituição.
O gerente da Ucolom, Josué Alves de Souza, explica que alguns profissionais que pediram o retorno para as salas de aula estavam cedidos para outros órgãos. "Alguns estavam em outras secretarias do Estado e autarquias. Os educadores e pedagogos estão sendo encaminhados para as escolas estaduais onde há carência desses profissionais", disse.


A maioria dos profissionais – cerca de 300 – são professores do ensino fundamental do 1º ao 5º ano. A regência de classe foi incorporada no salário do servidor no mês de junho deste ano.
O Governo do Amapá propôs o percentual em abril deste ano, durante a Agenda do Servidor, e logo foi aprovado em sessão extraordinária realizada dia 12 de maio, na Assembleia Legislativa do Amapá (Alap).


O governador Waldez Góes afirmou que o servidor público faz parte do processo de melhorias do Estado e que, apesar de não consolidar imediatamente todas as demandas da categoria, a mesa de negociações continuará permanentemente aberta. "A Educação será sempre prioridade no meu governo e não faltarão transparência e diálogo nessa construção. Os desafios não são poucos, porque temos que, ao mesmo tempo, fazermos educação e resolvermos questões estruturais", ponderou Góes.



A secretária de Estado de Educação, Conceição Medeiros, disse que o benefício da regência de classe para os profissionais está funcionando como fator importante para o retorno às escolas.  "Desde o início do ano estamos reorganizando o sistema educacional do nosso Estado. Temos ótimos profissionais na educação, nosso objetivo é continuar valorizando esse educador para que ele possa ampliar ainda mais a qualidade do ensino amapaense", afirmou a gestora.




Na tarde desta segunda-feira, 17, diversas entidades, órgãos governamentais e estudantes de 20 escolas da rede estadual de ensino reuniram-se no auditório do Centro de Convenções João Batista de Azevedo Picanço para promover e incentivar o interesse dos jovens em participar do programa Jovem Senador. Para participar os estudantes deverão escrever uma redação com o tema "Participação política: no parlamento, nas ruas e nas redes sociais".


Em Macapá o programa está sob a coordenação da Secretaria de Estado da Educação (Seed), e vai selecionar um estudante que viajará até Brasília com o objetivo de conhecer o trabalho do legislativo, como se produz um projeto de lei, além de apresentarem sugestões a serem debatidas, e que futuramente podem se transformar em um projeto de lei.



O concurso é um projeto anual que tem como objetivo promover aos estudantes do ensino médio das escolas públicas de todo o Brasil conhecimentos sobre a estrutura e funcionamento do Poder Legislativo. Para participar os estudantes devem estar matriculados na rede de ensino público e devem ter, no máximo, 19 anos.



As redações deverão ser entregues até o dia 21 de agosto. Após este prazo elas serão enviadas para uma comissão de especialistas da Secretaria de Educação (Seduc) que vai escolher as três melhores redações, que posteriormente encaminhará para a comissão julgadora do Programa Jovem Senador.

A reforma da rede elétrica da Escola Estadual Ruth de Almeida Bezerra já está sendo concluída pelos técnicos da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf). O anúncio foi dado pela Secretaria de Estado da Educação (Seed).


Segundo o coordenador da Rede Física da Seed, Zozimar Uchôa, o problema ocorreu na instituição por falta de manutenção, em anos anteriores, nas instalações internadas do prédio. "A fiação elétrica está sendo toda trocada. Os ventiladores e eletrônicos queimavam pois a fiação era muito velha, e não suportava a carga elétrica", explicou.


A diretora da Escola, Eliete do Rosário Monteiro, esclareceu que as aulas foram suspensas para facilitar a reforma da rede elétrica. Ela destacou, ainda, que o calendário escolar deste segundo semestre foi reformulado.


"As aulas serão repostas aos sábados, e o ano letivo não será prejudicado em razão deste intervalo de aulas suspensas. Precisávamos desta atitude de gestão. O compromisso do Estado junto à comunidade escolar e dos pais dos alunos foi cumprido. Estamos muito felizes com isso", agradeceu a gestora.


A direção da escola informou, também, que a previsão de retorno das aulas, na unidade escolar, é durante a primeira semana do mês de setembro.


A Escola Ruth Bezerra, localizada no bairro São Lázaro, zona norte de Macapá, atende mais de 800 alunos do ensino fundamental, do quinto ao nono ano, nos períodos da manhã e da tarde.

A coordenadoria de Educação Específica da Secretaria de Estado da Educação (Ceesp/Seed) promove de 17 a 21 de agosto a Conferência do Plano Estadual de Educação para o Sistema Penitenciário com o tema "Do Cárcere a Educação do Ser". A abertura aconteceu na manhã desta segunda-feira, 17, no Templo Central da Igreja Assembleia de Deus, no centro de Macapá.


A conferência pretende levantar propostas de melhoramento do sistema educacional nas penitenciárias, diagnosticando problemáticas locais como a inexistência de documentos normativos de segurança e pedagógicos e, principalmente, fazendo apontamentos cabíveis para a resolução e ampliação da educação no sistema penitenciário.


Na terça-feira, 18, os trabalhos continuarão na Escola Estadual Jesus de Nazaré, no período da manhã e tarde. A escola fica localizada na Avenida Princesa Isabel, 255, bairro Jesus de Nazaré. Já nos dias 19, 20 e 21 as discursões retornarão ao Templo Central da Igreja Assembleia de Deus, finalizando os trabalhos da plenária às 18h.


Para a secretária de Estado da Educação, Conceição Medeiros, a educação na prisão é um poderoso instrumento para a emancipação pessoal, e um direito a promoção da dignidade humana.


"Estamos cumprindo uma ação do Plano Estadual de Educação (PEE) aprovado em junho deste ano. Este é um avanço e uma oportunidade de pensarmos no coletivo e na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos que estão buscando novas inserções", destacou Medeiros.


Durante toda a programação serão tratados temas como a educação de Jovens e Adultos (EJA); educação dos privados e liberdade; práticas pedagógicas, atendimento a diversidade e certificação; infraestrutura física, material didático e literário; remissão de pena e atendimento às crianças entre outros assuntos.


Segundo a coordenadora do Ceesp, Arlene Favacho, o Estado do Amapá pela primeira vez possui um Plano Estadual de Educação de fato e de direito e que por força da Lei estabelece metas para que a garantia da qualidade da educação avance.


"As discursões subsidiarão o atendimento educacional nos espaços prisionais e serão planejadas coletivamente em parceria com representantes da sociedade civil organizada e de órgãos públicos", disse.


Segundo dados do Centro de Pesquisas Educacionais da Seed (Cepe) foram contabilizados no início deste ano cerca de 600 alunos matriculados nas escolas estaduais que estão inseridas nas dependências de sistemas prisionais, como é o caso da Escola Estadual Elcyr Rodrigues Lacerda que está no espaço do Centro Socioeducativo de Internação Masculina (Cesein) e do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) com a Escola Estadual São José. As instituições de ensino atendem com a EJA e o ensino fundamental e médio.


Para a diretora da escola Elcyr Rodrigues Lacerda, Angélica Furtado, é extremante importante a conferência, pois vem agregar no sentido de se ter uma educação com mais qualidade e discutir práticas pedagógicas com atendimento especializado e dinâmico.


Participaram da solenidade de aberta professores, pedagogos, coordenadores, e representantes da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Conselho Estadual de Educação, Fundação da Criança e Adolescentes (Fcria) e do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).


 


 


 

A secretária de Estado da Educação, Conceição Medeiros, participou na tarde desta quinta-feira, 13, do II Encontro Estadual de Educação, que ocorreu no auditório do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá TRE/AP. O evento é promovido pelo Ministério Público do Estado do Amapá, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), e termina nesta sexta-feira, 14.


O encontro objetiva promover a capacitação dos membros e servidores da instituição, gestores e outros atores da área educacional, com o apoio técnico do Ministério da Educação e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, para melhorar a qualidade do ensino e os indicadores do Amapá.


Segundo a presidente da comissão organizadora do encontro, a procuradora de Justiça Judith Teles, o evento é relevante para socialização de questões que passam pela qualidade da educação, realidade da educação infantil no Amapá, funcionamento de programas de repasse de verbas e demais assuntos sobre a garantia do direito à educação.


A programação de debates do dia finalizou com a palestra sob o tema: "Municipalização da Educação no Estado do Amapá", proferida pela secretária Conceição Medeiros.


Durante a exposição, Medeiros destacou a importância dos demais Estados brasileiros terem um olhar diferenciado no que se refere à educação na Amazônia, em especial, à necessidade de uma maior autonomia de suplementação do financiamento de transporte, merenda e suporte na estrutura física das escolas, levando em consideração as peculiaridades da região.


Outro destaque feito pela gestora foi a aprovação do Plano Estadual de Educação, onde estão inseridas as prioridades educacionais para o Estado do Amapá para os próximos dez anos, entre elas, a prioridade na educação básica.


Foi disponibilizado também uma cópia da Carta dos Secretários de Educação da Região Norte aos participantes e procuradores do Estado. O documento, divulgado na última terça-feira,11, em videoconferência, pede ao governo federal atenção especial para o Norte, em virtude das demandas que podem contribuir para a melhoria do processo educacional.


O II Encontro Estadual de Educação continua nesta sexta-feira, a partir das 8h30, com a palestra "PNAE – Um Panorama a partir das Ações da CGU no Estado do Amapá", que será ministrada pelo analista de finanças e controle da Controladoria Geral da União no Amapá, José Iran dos Santos.

A comunidade escolar da Cachoeira do Rio Pedreira, localizada no distrito da Pedreira, distante 25 quilômetros de Macapá, vai promover nesta sexta-feira, 14, das 8h às 12h, uma ação social para debater o tema gravidez na adolescência e disponibilizar serviços ofertados pelo Super Fácil e pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), com atendimentos médicos e vacinas. A ação também terá atividades de lazer e pedagógicas que serão trabalhadas em diversas palestras.


O foco principal da ação é a saúde do estudante, principalmente relacionado à gravidez precoce na adolescência e suas consequências. A constatação do alto índice de alunas grávidas e a evasão escolar deu origem ao projeto "Gravidez Precoce – Causas e Consequências", desenvolvido por professores e alunos do ensino fundamental modular da Escola Estadual Cachoeira do Rio Pedreira.


Foram realizados com os alunos trabalhos de campo e bibliográfico para conhecer as histórias e sentir suas problematizações de perto, no sentido de detectar causas e desenvolver métodos para diminuir o número de adolescentes grávidas na localidade.


Segundo o professor da disciplina de trabalho e projetos da escola, Antônio Castro, o assunto é motivo de preocupação para toda a sociedade, especialmente para os pais, jovens e professores.


"Na maioria dos casos, por serem de famílias de baixa renda, os adolescentes deixam a escola em busca de trabalho e novas formas de sustento. As garotas, depois que se afastam para cuidar do bebê, encontram muitas dificuldades para retomar os estudos, o que decorre em vários problemas sociais; um deles é quanto menor a escolaridade dos pais, maior a vulnerabilidade da criança", disse.


Antônio Castro destaca ainda que a escola tem um papel fundamental na educação sexual e o tema pode ser trabalhado em diversas disciplinas.


"O espaço escolar deve propiciar aos alunos mais do que a aquisição de conhecimentos, deve promover a formação humana de seus estudantes" destacou.


Outras escolas da região da Pedreira foram chamadas para participar da ação e discutir o problema em conjunto.

Inaugurado há seis anos, no dia 13 de agosto, o Centro Cultural Franco-Amapaense (CCFA) foi criado com a finalidade de levar conhecimento sobre a língua francesa e os aspectos da comunidade guianense à população do Estado do Amapá. O espaço, localizado no centro de Macapá, possibilita troca de conhecimentos por meio de cursos, oficinas e intercâmbios.


Atualmente, o centro oferece cursos e oficinas para crianças, jovens e adultos, nos períodos da manhã, tarde e noite. Entre as atividades, oferecidas gratuitamente, estão os cursos de francês básico, português para estrangeiro, redação para o Enem e as oficinas de pintura em tecido e produção de artesanato.


Durante este mês, a direção do CCFA organizou uma vasta programação com atividades culturais destinada a alunos de escolas públicas e privadas, e para a comunidade em geral.


Nesta quinta-feira, 13, o público que foi prestigiar o aniversário pôde participar de atividades como recreação, contação de histórias, oficinas de redação, toalhas e camisas com técnica de giz de cera, exposição de artesanato e fotos, capoeira, circuito de ginástica laboral, entre outros. Além do ateliê com culinária francesa, ministrada pela professora francesa Karen Vasconcelos.


Para o diretor do centro, Raimundo Nonato Barros da Silva, a renovação e o aumento das ofertas de alguns cursos e oficinas este ano, trouxeram ainda mais público para conhecer o prédio da instituição. "Nós recebemos diariamente, além da população em geral, muitos turistas, que conhecem nossas atividades e saem levando um pouco da cultura guianense e amapaense", ressaltou.


Nos dias 27 e 28 deste mês, as atividades continuam com uma exposição de artesanato, fotos e vídeo institucionais, no estacionamento da Secretaria de Estado da Educação (Seed), no período das 8h às 11h.




CCFA


Inaugurado em 13 de agosto de 2009, o CCFA é um Centro Profissional e Cultural, vinculado à Coordenadoria de Educação Básica e Educação Profissionalizante (Cebep), da Secretaria de Estado da Educação (Seed), tem como público-alvo a comunidade em geral, priorizando eventos aos alunos das escolas públicas do Estado do Amapá.





A Secretaria de Estado da Educação (Seed) em parceria com Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil) estarão promovendo nos dias 12 e 13 nas dependências da Escola Sesc, em período integral, formação continuada sobre o Programa Educação Financeira para professores e coordenadores pedagógicos de, inicialmente, 27 escolas que atendem o ensino médio.


O Ministério da Educação (MEC) já disponibilizou os livros de educação financeira para as escolas públicas envolvidas. Na primeira etapa, que ocorreu no período de 8 a 24 de junho deste ano, 17 gestores da Seed receberam formação presencial para apropriação do tema.


Ao todo serão 108 professores que terão acesso a capacitação presencial e online de 40 horas, em plataforma de aprendizagem disponibilizada pela AEF-Brasil. Após a capacitação, os professores estão preparados para começar as aulas com os jovens.


O conteúdo dos livros cita situações didáticas para que professores possam aplicar os conceitos financeiros interligados aos conteúdos sociais. Esses conceitos são apresentados a partir de situações do cotidiano, com o objetivo de desenvolver o pensamento financeiro consciente.


ara o coordenador estadual do Programa Educação Financeira nas Escolas, Júlio Cesar, a iniciativa procura apresentar questões presentes no dia a dia do aluno, e possibilitar através da formação continuada melhores escolhas pessoais e interpretações gerais acerca da realidade do cotidiano.


"Os temas de educação financeira ocorrerão de forma transversal às matérias já existentes na grade curricular. Precisamos cada vez mais de pessoas capacitadas para lidar com as problemáticas financeiras e inseri-las para além da sala de aula", destacou.


A professora de língua portuguesa da Escola Estadual Professor Gabriel de Almeida Café, Patrícia Nobre, afirma que a formação referente a educação financeira vai complementar a capacitação que os mais de 6 mil professores passaram recentemente sobre educação empreendedora.


"Temos a possibilidade de aliar conteúdo e, assim, desenvolver um trabalho melhor e mais específico em sala de aula. Temos que motivar nossos alunos e socializar o conhecimento para que eles tenham a percepção de quanto é importante planejar as finanças e ter uma visão empreendedora", destacou.


 

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) por meio do Centro de Pesquisas Educacionais (CEPE) informa que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) prorrogou o prazo para envio de dados do Censo Escolar da Educação Básica 2015. A etapa, que deveria ser encerrada nesta quarta-feira (12), foi adiada para até o próximo dia 28.


Para realizar a declaração dos dados da escola, turmas, alunos e profissionais escolares em sala de aula, os diretores devem acessar o sistema Educacenso no endereço eletrônico http://educacenso.inep.gov.br.


Os dados coletados são fundamentais para a elaboração de diagnósticos sobre a educação brasileira, pois oferece subsídios estatísticos para o planejamento e acompanhamento das políticas públicas educacionais. Além disso, também contribui para a elaboração dos indicadores educacionais como, por exemplo, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).


De acordo com o assessor do Centro de Pesquisas Educacionais, Laercio Góes, o Censo Escolar é o principal e mais completo levantamento de dados estatístico-educacionais. Segundo ele, as escolas que não possuem acesso à internet devem solicitar formulários impressos às respectivas secretarias de Educação, preenchê-los e se dirigir a um local "polo", com acesso à internet, para o envio de dados acessando o Educacenso.


O MEC deve receber os dados para publicação final no Diário Oficial da União até 18 de dezembro deste ano.

Com o intuito de propor a implantação de políticas públicas para a educação penitenciária, acontece no período de 17 a 21 de agosto a Conferência Estadual de Educação para o Sistema Penitenciário Amapaense. O evento está sob a coordenação e execução das Secretarias de Estado da Educação (Seed) e de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

O evento pretende normatizar uma proposta de melhoramento do sistema educacional em questão, diagnosticando problemáticas locais como a inexistência de documentos normativos de segurança e pedagógicos e, principalmente, fazendo apontamentos cabíveis para a resolução das problemáticas e a ampliação da educação no sistema penitenciário.

No Estado do Amapá foi instituída uma Comissão Técnica reunindo instituições como Universidade Federal do Amapá (Unifap), Vara de Execuções Penais, Conselho da Comunidade, Instituto de Administração Penitenciária do Amapá, Escola Estadual São José (dentro do complexo), além da Seed e Sejusp.

A solenidade de abertura acontece nesta segunda-feira, 17, a partir das 8h, no Templo Central da Igreja Assembleia de Deus, no centro de Macapá.

Em uma entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, 11, por meio de teleconferência transmitida de Manaus, os sete secretários de Educação da Região Norte do país fizeram a apresentação da Carta de Intenções em que pedem ao governo federal atenção especial para o Norte, em virtude das demandas para a melhoria do processo educacional.

Na ocasião, o documento foi detalhado aos órgãos de imprensa. Segundo os itens apontados pela carta, as peculiaridades regionais (o "fator amazônico") e os desafios logísticos impostos pela característica geográfica da região, causam entraves para a melhoria da qualidade de ensino. Os mais comuns entre os Estados são na área do transporte escolar, merenda escolar, aumento do valor do repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) por aluno, e ajuda para diversos projetos e programas educacionais e pedagógicos.

No Estado do Amapá, a secretária de Estado de Educação, Conceição Medeiros, afirmou que a intenção é conseguir que um olhar mais inclusivo seja feito à educação nortista. "Nossas problemáticas são bem comuns. O próximo passo será fazer a entrega deste documento no Congresso Federal para as nossas autoridades, depois vamos iniciar um levantamento e estabelecer um cronograma de trabalho", afirmou a gestora.

Para a presidente do Conselho Estadual de Educação, Eunice de Paulo, a partir desta iniciativa dos governos estaduais haverá mais respeito por parte das outras Unidades Federativas no que tange ao modo de vida de cada nortista. "Os recursos devem ser diferenciados pensando em nossas particularidades", explicou.


Confira o documento na íntegra aqui.